A trajetória do Eduardo Bueno (Peninha) no jornalismo.

Entrevistado por Susi Tesch

Iniciou sua carreira aos 17 anos na Zero Hora, onde ganhou o apelido de Peninha. Jornalista, escritor, tradutor. Um jornalista roqueiro, amigo do Bob Dylan e apaixonado pelo Grêmio. Nesta entrevista Peninha conta um fato inédito de como o Bob Dylan percorreu o caminho do gol em Porto Alegre, em 1991, além de falar sobre sua carreira.

SUSI: O QUE LEVOU VOCÊ ESCOLHER JORNALISMO, COMO PROFISSÃO?

EDUARDO: Eu sempre tive uma vocação pra escrever, desde criança, pelos oito, nove anos de idade já escrevia, não ficção, eu era apaixonado pelo Egito Antigo, então comprei vários livros sobre o Egito. Na ocasião eu estava convencido, de certa forma, e ainda estou que vivi no Egito em uma vida anterior, e sentia uma necessidade imensa de saber sobre o Egito. Então eu lia e fazia compilações, como se fosse uma espécie de livro meu mesmo sobre o Egito, ainda tenho esses cadernos. Logo depois eu me apaixonei por futebol, pelo Grêmio especificamente.

(Risos) Na verdade eu odeio futebol, eu gosto só do Grêmio.

Neste momento comecei a escrever sobre o próprio Grêmio, fazia crônicas e críticas dos jogos, isso com dez, onze e doze anos de idade. De início cheguei a pensar na possibilidade de cursar alguma coisa relacionada à arqueologia ou egiptologia, porque esse meu interesse na arqueologia pelo Egito persistiu por muitos anos, mas era uma coisa inviável, uma loucura. Cheguei a pensar em história também, mas nenhuma delas me parecia ser uma profissão, que eu pudesse aqui mesmo em Porto Alegre imediatamente começar a exercer. Aí sobrou o jornalismo, que por uma série de interesses na época especialmente o futebol e o fato de escrever. É claro virei repórter de esportes da Zero Hora, em 1976, e fiquei um tempão percorrendo as redações do Brasil.

SUSI: UM JORNALISTA QUE VOCÊ ADMIRA?

EDUARDO: Pra dizer a verdade eu nunca morri de amores por jornalistas brasileiros contemporâneos, claro que tem vários com dos quais eu apreendi, o Augusto Nunes, antes dele virar essa coisa nova que virou, o próprio Elio Gaspari, um cara que também seguiu por essa linha de história. Eu sempre tive uma pegada meio “americanofila”, uma ligação cultural muito forte com os Estados Unidos, eu já morei lá, ajudei a traduzir alguns livros como o On the Road –  Pé na Estrada, geração Beat. Então na verdade os jornalistas que eu mais admirei na minha vida foram os jornalistas americanos da chamada New Journal, que há essas alturas, já é o Old Journal, que é o Gay Talese, Norman Mailer, Tom Wolfe, de certa forma até o Truman Capote. O Truman Capote, não é propriamente um jornalista, mas é o cara que inventou o romance de não ficção, o livro “A sangue frio”, não deixa de ser um relato jornalístico, sobre um assassinato famoso, um livro que mudou a minha vida, como a de tanta gente, de tantos jornalistas que o leram, e eu sempre persegui esse viés do jornalismo literário, muito influenciado, por esses jornalistas norte americanos, que eu sigo admirando até hoje.

SUSI: NA TUA OPINIAO, O JORNAL IMPRESSO VAI ACABAR?

EDUARDO: Acho que não. Acho que evidentemente o papel dele, literalmente né, o papel dele passa por grandes mudanças e transformações. Vai continuar passando. É um espaço que vai diminuir. É obvio que a notícia eletrônica, a notícia da internet vai ter cada vez mais penetração e cada vez mais rapidez, se é que isso é possível, porque já é extraordinariamente rápido, já é praticamente instantâneo e vai ser virtualmente instantâneo, então é obvio que o papel vai ter que repensar o seu espaço, de novo, parecendo uma piada…o seu papel. Já tem feito isso de certa forma. No Brasil, como todo o resto, tardiamente. Mas, por exemplo, jornais como o Guardian, britânico. Revistas como a New Yorker, americana, embora não seja um jornal, seja uma revista, eles comprovam que sempre vai haver espaço para jornalismo investigativo e pro jornalismo de análise, entendeu? Quem é treinado, quem é afeito à leitura, quem é treinado a uma leitura mais profunda, mais extensa, óbvio que vai sempre consultar na internet e ver no computador, mas também é obvio que pelo menos pelos próximos, sei lá, trinta anos, vai continuar lendo no papel impresso. E para que o papel impresso agora se preza? A esse jornalismo investigativo de qualidade. Porque o neguinho começou a dizer assim…isso, cara, é uma das coisas mais importantes que eu vou dizer pra ti…neguinho começou dizendo assim: “ah, acabou o jornal de papel…vai acabar o jornal de papel”, decretou o réquiem, a morte do jornal de papel no Brasil, e aí nunca mais investiu em jornalistas, nunca mais pagou salários decentes, nunca criou cursos de formação realmente efetivos para ter jornalistas de verdade, só tem um bando de m… trabalhando num monte de jornal de m… e as pessoas dizem assim: “os jornais são ruins, os jornais morreram”. Claro, desse jeito vão morrer mesmo, porque são uns jornais de m… com um monte de gente de m… escrevendo m…, então p…, óbvio, né. Eu não assino nenhum jornal brasileiro, me recuso a assinar um jornal brasileiro. Ler eles na internet é mais do que o bastante, porque são fraquíssimos. Agora, o verdadeiro jornalismo de interpretação, de analise, o jornalismo que abre novas janelas no teu conhecimento, dizer: ‘não tinha pensado nisso…’, ‘…pô, é óbvio que isso pode ser assim…’, tipo essa morte do Osama Bin Laden agora, embora seja uma matéria controvertida, né, do Seymour Hersh, é por aí…

SUSI: O QUE TE LEVOU PARA A HISTÓRIA NA TUA CARREIRA?

EDUARDO: Eu sempre achei que jornalismo e história caminham juntos. De certa forma são complementares. É óbvio (…) uma certa superficialidade naturais, íntimas do jornalismo diário parecem em confronto com a análise historiográfica mais densa e mais profunda. Mas, na verdade, a história também se faz muito a partir de relatos jornalísticos, pesquisas em jornais…é fundamental. Muitas vezes o jornalista, ele não tem a clara percepção de que quando ele está fazendo um registro jornalístico, ele, dessa forma, está fazendo um registro histórico. Por isso, ele tem que ter uma preocupação com a quantidade, sabe, tem que ser uma coisa precisa, tem que ser uma coisa, na medida do possível, também detalhista e com veracidade, porque esse registro vai ficar. E esse registro pode vir a ser consultado. E ele provavelmente será consultado por historiadores no futuro. Então, há um fio que une a história com o jornalista. Pra mim, isso sempre teve claro, desde criança. Tanto é que eu ficava na dúvida se queria fazer história ou ser jornalista. E aí chegou uma hora, depois de uma experiência muito grande como editor, eu fui editor de livros na L&PM, colaborei com a Brasiliense, com a Companhia das Letras, eu adquiri o conhecimento do mercado editorial brasileiro, então eu sabia que tinha um nicho de idéias de história escritas com o viés jornalístico, sabe, que era uma coisa que ia vender. Porque o mercado editorial, como diz o nome, é um mercado. É uma coisa que vende, ou não vende. Eu achava que ia vender. No sentido, pleno da palavra, em uma quantidade imensa. E era mesmo, porque tinha esse nicho, tinha esse vazio. E eu cheguei ali e preenchi. Tanto é que depois de mim, vieram outros jornalistas, (…) o Leandro Narloch. Foi por isso, foi uma opção mercadológica, também, em função, acima de tudo, do meu amor pela história, história do Brasil e história geral.

SUSI: QUAL O TRABALHO QUE TU MAIS TE ORGULHA DE TER FEITO?

EDUARDO: Olha, tu sabe que às vezes eu fico me perguntando o que falta para esse país erigir uma estátua pra mim, né? Não precisa ser de ouro, pode ser de bronze! (risos). Olha, cara, óbvio que é piada. Mas é o seguinte. Olhando pra trás, eu fiz algumas coisas que realmente é de orgulhar. Eu sou o principal responsável pela chegada da geração Beat (Beatniks) no Brasil. Eu que traduzi On the Road, de Jack Kerouac, em função do sucesso desse livro eu pude convencer duas editoras brasileiras, a L&PM e a Brasiliense a publicar todos os outros (autores) Beats, né, Allen Ginsberg, Lawrence Ferllinghetti. E aí, em função disso, pessoas ligadas aos Beats, o Bukowski, Charles Bukowski, são autores que chegaram ao Brasil pelas minhas mãos. Não por minhas mãos, porque eu não era dono de uma editora, não tinha condições, mas por sugestão, entendeu? Eu acho que isso foi uma coisa super importante. A outra coisa que eu acho importante, é que eu consegui pegar um período da história do Brasil que é um período meio nebuloso, que é aquele que vai de 1500 a 1600, mais ou menos, 1580 que seja, que me parecia aprisionado dentro da sala de aula, e eu consegui trazer isso para a discussão de bar, uma discussão das pessoas, isso no auge do sucesso daquela coleção Terra Brasilis. Eu acho que foi um lance super legal. Além de tudo, eu editei pela L&PM mais de 200 títulos, sabe. Muitos deles nunca tinham saído no Brasil. Então, cara, na boa, cara, eu acho que eu fiz várias coisas assim das quais eu posso me orgulhar e me orgulho mesmo. Mas o meu maior feito pessoal, assim, não tem nada a ver com ninguém, não é motivo de orgulho profissional, mas é realmente uma proeza, um prodígio, que foi eu ter conseguido me aproximar do Bob Dylan, que é um cara totalmente arredio, quase impossível você sequer se aproximar do local onde ele está, quem dirá ver ele, e eu me aproximei, conheci ele, convivi com ele durante um tempo e realmente isso foi um prodígio, sabe, uma coisa que me (risos) enche de alegria e espanto.

SUSI: COMO É QUE VOCÊ O CONHECEU (BOB DYLAN)?

EDUARDO: Porque, pô…era uma devoção muito grande. Passei anos e anos da minha vida, …vendo tudo, sabendo tudo, conhecendo tudo, pesquisando obsessivamente, e aí quando ele chegou ao Brasil em janeiro de 1990, quando ele desembarcou eu conhecia todo mundo que o cercava, sabe. Sabia quem era o contador dele, o advogado dele, a cozinheira dele, o camareiro dele, entendeu, porque eu precisava muito. Eu era ajudante de um fan club para absolutos fanáticos. Então tinha tudo ali. Mas o que fez com que realmente eu pudesse abordar um dos caras, que era o personal manager dele, que era o manager pessoal, o cara que realmente cuidava da vida dele, e aí falar pro cara …ó posso conhecer o Bob Dylan… foi o fato de eu ser o tradutor da geração Beat no Brasil, entendeu? De ter conhecido pessoalmente o Allen Ginsberg, sãopessoas, assim, difíceis também de conhecer e que tinha conhecido porque eu tinha publicado seus livros aqui e eles tinham ganham um bom dinheiro com isso porque os livros venderam muito aqui no Brasil e aí o dinheiro faz fita, você querer conhecer a pessoa, a casa na qual você ganhou dinheiro. Mas daí, o cara me apresentou pra ele, e agente se deu bem e conviveu por uns três ou quatro anos. (risos)

SUSI: UMA SITUAÇÃO INUSITADA QUE TU TENHAS PASSADO NA PROFISSÃO?

EDUARDO: Olha, cara. De certa forma, a principal é essa né (…do Bob Dylan). Porque enquanto eu tava numa luta muito profunda, intensa e pessoal. Era uma pedra angular na minha vida. Uma coisa assim chave na minha vida. Porque o Bob Dylan tinha mudado a minha vida, entendeu? Eu ouvi Bob Dylan a primeira vez com quinze anos. E foi com quinze anos…dezesseis na verdade, já tinha, em 1974, que daí eu decidi, sabe, assim, que eu ia ser escritor, que eu ia ser rebelde, que eu ia ser ligado à geração Beat, que eu ia ser assim tipo indomável, assim sabe, por causa dele. E quando eu tava nessa batalha aí com ele, eu tava como jornalista, eu trabalhava no Estadão. Então, eu tinha que encontrar uma maneira de separar a minha paixão fervorosa por ele, com o desempenho jornalístico. E eu não menti, mas eu tive que omitir, eu tive que sonegar a informação de que eu era jornalista. Porque, com toda razão, …pô cara, tem uma hora que ele abomina o jornalista, né. Depois que ele conhece a pessoa e sabe que além de ser aquilo ali a pessoa também é jornalista, ele é bem acessível. Alguns conhecidos dele são jornalistas. Mas quando o cara chega e diz assim ”…sou jornalista”. -“Então, morra!”. Porque…com toda razão! De certa forma, claro né! Porque tem um lado, claro, que o jornalista é uma classe quase que desprezada por artistas e por outras…Porque, o seguinte: se o jornalista é desprezado por políticos, legal né, é um bom sinal, porque os políticos são tão desprezíveis que ser desprezado por eles é um bom sinal pro jornalista. Agora, quando o jornalista começa a ser desprezado por artista, é bom o jornalista pensar e repensar o seu papel, de quantas m… os jornalistas fazem. Claro que não são só os jornalistas que fazem m…Mas os jornalistas fazem muita m… E escrevem muita m… E aí, um monte de gente não quer conversa com jornalista. Entre eles, o Bob Dylan. Entendeu? A não ser num segundo momento, como eu falei. Então, foi uma situação bem complicada pra mim. E eu só disse um tempo depois pra eles que eu era jornalista, inclusive a primeira matéria que eu escrevi sobre esse encontro com o Bob Dylan, o primeiro encontro, eu escrevi sem dizer pra eles que eu era jornalista, que eu ia escrever. Mas eu acho que eu fui ético e honesto igual, porque nesta matéria eu não entreguei nada, entendeu? Eu só escrevi matérias com uma utilidade maior pro Bob Dylan depois de eu dizer pra ele que eu era jornalista e que eu ia escrever. Dessa primeira matéria que eu fiz, eu escrevi mais sobre mim do que sobre ele. Eu escrevi sobre a minha tentativa de chegar a ele. E quando essa matéria foi publicada, ele não sabia que eu era jornalista, nem que a matéria ia sair. (risos)

SUSI: TEM UM BOATO EM PORTO ALEGRE QUE TU TIVESSES LEVADO O BOB DYLAN PARA DAR UMA VOLTA NO CENTRO DE PORTO ALEGRE, É VERDADE?

EDUARDO: É, mas isso foi depois. A gente se conheceu em janeiro, 17 de janeiro de 1990 quando ele veio a São Paulo tocar no Hollywood Rock. Ficamos juntos até ele ir embora do Brasil pela manhã do dia em 26 de janeiro de 90. Mas depois ele voltou pro Brasil em 91. Agora, não lembro exatamente o dia. Mas é fácil descobrir, foi quando ele tocou no Gigantinho. E eu morava em São Paulo e nos encontramos em Buenos Aires, primeiro eles tocaram em Buenos Aires. Daí a gente já era bem conhecido. Eu já tinha encontrado ele nos Estados Unidos, já tinha encontrado ele na Europa, já tinha feito uma turnê, foi pra Europa do Leste, pra Budapeste, pra Grécia, pra Lituãnia, lá na Croácia, Sérvia com ele, já tinha ido à casa dele. Então eu fui pra Bueno Aires. Encontrei-o em Buenos Aires. De Buenos Aires, a gente foi pra Montevidéu, onde ele também se apresentou. De Montevidéu a gente desembarcou junto em Porto Alegre. Foi o dia da minha vida, desembarcar lado a lado com o Bob Dylan no aeroporto Salgado Filho em Porto Alegre, cara. E eu ainda de cicerone. E aí no dia seguinte, a gente foi pro Morro Santa Tereza. Depois do Morro Santa Tereza, fomos para o Mercado Público, e aí tomamos aquela famosa salada de fruta com nata na banca 40 então, a gente foi a pé pro Hotel Plaza São Rafael, onde ele estava, sem ninguém reconhecer ele. Por isso que ele, até hoje, adora Porto Alegre, porque nada pode ser melhor pra ele do que andar na rua e ninguém encher o saco dele, e não saber quem ele é. Só que eu, infelizmente, não participei do melhor momento dele em Porto Alegre dessa vez. Ele decidiu que ele ia a pé do Plaza São Rafael até o Gigantinho pra dar o show, na hora do show. E ele foi a pé. Esse meu amigo, que era o personal manager dele e um só segurança, que foi mais longe. E aí esse meu amigo, o manager dele, dizia que as pessoas olhavam e diziam -”Bah, olha ali um cara igual ao Bob Dylan indo pro show” (risos) e era mesmo! Então, eu acho que essa é uma história incrível e maravilhosa e com ela nós podemos encerrar essa entrevista, já que tu tens uma informação que ninguém tem e os teus colegas vão ficar morrendo de inveja, porque é a melhor informação do mundo não é?

(Risos) Só agora me dei conta, que o Bob Dylan percorreu o caminho do gol, muito antes do caminho do gol existir.

Comente esta postagem!

Você pode usar estas tags HTML e atributos se necessário: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>